Mostra OSSO Latino Americana de Performance-2013

II Mola Osso-Mostra Latino Americana de Performance

II Mola Osso-Mostra Latino Americana de Performance

O corpo informa enquanto a boca cala, a ossatura é feita de fibras e tecidos e a política nada mais é que afeto”. OSSO Coletivo de Performance.

 A II MOLA – Mostra OSSO Latino-americana de Performances – aporta na Costa do Descobrimento entre os dias 10 e 20 de março. A bordo, performáticos e pesquisadores da linguagem da performance art de diversos países latino-americanos ávidos em (re) descobrir a região tombada pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – como patrimônio histórico brasileiro e dotada de extraordinária riqueza natural. Elaboradas a partir do contato dos artistas com a realidade local, as performances serão apresentadas em diversos espaços públicos de Arraial D`Ajuda e Trancoso, distritos do município turístico de Porto Seguro. Debates sobre temas relacionados a performance em espaços públicos, a cena independente na América Latina, também estão incluídos na programação da II MOLA, realizada pelo OSSO Coletivo de Performance e viabilizado pelo edital setorial de artes visuais da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Artistas:

Aníbal Sandoval (Chile) 

Diana Daf (Peru) 

George Sander (São Paulo-Brasil) 

Juan Montelpare (Equador) 

 Laís Guedes (Bahia-Brasil)

 Lucas Moreira (Bahia-Brasil) 

Luis Eduardo Martínez (Argentina)

Mariana Picart Motuzas (Uruguai)

Maria Eugênia Matricardi (Distrito Federal-Brasil)

Sara Panamby (São Paulo-Brasil) 

Thiago Sant`Ana (Bahia-Brasil)

Tzitzi Barrantes (Colômbia) 

 Curadoria:Bia de Medeiros; Rose Boaretto; Santiago Cao

 

Já está rolando a Agenda Cultural da Bahia do mês de março. E o destaque do setor de Artes Visuais é a MOLA. OSSOs ao mar!!!


Disponível em: http://www.agendacultural.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/03/agenda-mar2013.pdf

http://mola2013.blogspot.com.br/ — com Osso Performances Urbanas.

Anúncios

silenciosamente, dizer o inaudito

“Dê-me, portanto um corpo: esta é a fórmula da reversão filosófica. O corpo não é mais o obstáculo que separa o pensamento de si mesmo, aquilo que deve superar para conseguir pensar. É, ao contrário, aquilo em que ele mergulha ou deve mergulhar, para atingir o impensado, isto é, a vida. Não que o corpo pense, porém, obstinado, teimoso, ele força a pensar, e força a pensar o que escapa ao pensamento, a vida. Não mais se fará a vida comparecer perante as categorias do pensamento, lograr-se-á o pensamento nas categorias da vida.” (DELEUZE, 2005, Pg.227).