Teching Hisieh- A radicalidade permeia o tempo

Tehching Hsieh propôs programas de performance radicais que tiveram duração de um ano. A relação promove a simultaneidade entre arte e vida, ou ainda a sua indiferenciação. Na primeira, Performance de um ano, ele inicia seu trabalho em 30 de setembro de 1978, fica em regime de confinamento extremo, onde permanece dentro de uma cela construída no interior de seu estúdio, permitindo algumas vezes da semana a visitação do público. Em um estatuto assinado pelo artista, ele define o que deve e não deve fazer. Nas proibições autoinfligidas constam: não poder ler, escrever, escutar música, conversar ou assistir televisão. Ele deve receber comida e roupas limpas de um amigo contratado para que não morra de inanição. Todo o processo é documentado por via de fotos. Ele sai em 29 de setembro de 1979.

One year performance-1978-1979

One year performance-1978-1979

Em sua segunda performance, de 1980 a 1981, Hsieh se veste com uniforme operário, raspa a cabeça e bate o cartão de ponto em uma máquina regularmente de 1 em 1 hora. Justifica caso haja algum atraso. As fotografias evidenciam a passagem do tempo no crescimento do seu cabelo e desgaste físico.

One year performacne-1980 a 1981

One year performacne-1980 a 1981

Na terceira Performance de um ano ele deveria estar apenas em lugares abertos, ao ar livre, sem poder estar dentro de nenhum ambiente coberto. Ele não poderia estar em um avião, navio, caverna, subterrâneo ou tenda. Poderia ter somente um saco de dormir. A performance foi realizada de 26 de setembro de 1981 a 26 de setembro de 1982.

One yar performance-1981 a 1982

One yar performance-1981 a 1982

Na quarta performance, Hsieh e Linda Montano permanecem amarrados pela cintura com uma corda, sendo que deveriam ficar juntos sem poder desatar o nó. Quando um está dentro de um lugar, o outro deve permanecer dentro também. Completa ausência de privacidade. A duração foi de 4 de julho de 1983 a 4 de julho de 1984.

One year performance-1983 a 1984

One year performance-1983 a 1984

Na quinta performance ele não pôde falar, ver ou escrever sobre arte, tampouco ir em alguma galeria ou museu por um ano. De julho de 1985 a julho de 1986.

One year performance -1985 a 1986

One year performance -1985 a 1986

A última performance de Hsieh se dá com um programa de 13 anos, na qual, em seu aniversário de 36 anos, ele afirma que produzirá arte durante todo esse tempo e não poderá publicizá-la de nenhuma forma. Ele pôde divulgar seus trabalhos somente depois de seu aniversário de 49 anos. Esse programa foi realizado de 1986 a 1999.

Teching Hsieh- 1986 a 1999

Teching Hsieh- 1986 a 1999

Insistir no gesto é revelar a obsessão que permeia nosso modo de vida absurdo. O corpo, no caso de Hsieh, mergulha nas constrições promovidas por questões inevitáveis: regime de trabalho sacrificante, cárcere social na ideia de segurança de um lugar “dentro” e cárcere na privação que o “fora” sugere. O fardo de estar obrigado a viver amarrado à outra pessoa lembra a instituição do casamento, ou a obrigação do convívio em outros aspectos. Produzir arte. Não produzir arte. Tudo isto delimitado por contrato na burocracia cotidiana. O tempo não se diferencia da vida. O tempo faz arte.

Referências

Site oficial de Tehchin Hsieh:

http://www.one-year-performance.com/

notícia sobre a apresentação de artistas que compuseram a 30° bienal de SP:

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1146324-veja-a-lista-completa-dos-artistas-que-se-apresentam-na-bienal.shtml

Anúncios

Lips of Thomas- Marina Abramović

tumblr_mckiml8yAW1r391i8o1_500tumblr_mckiml8yAW1r391i8o2_500Abramovic_7_BigimagesLips of  Thomas (Lábios de Thomas)

Performance

Vagarosamente como 1 quilo de mel com uma colher de prata

Vagarosamente bebo um litro de vinho em uma taça de cristal

Quebro a taça com a mão direita

Usando uma lâmina, entalho uma estrela de cinco pontas no meu abdômen

Me açoito violentamente até não mais sentir dor

Deito-me em uma cruz de blocos de gelo

O calor de um aquecedor suspenso apontado para o meu abdômen provoca o sangramento da estrela entalhada

O resto do meu corpo começa a congelar

Permaneço na cruz de gelo durante 30 minutos até que o público interrompe a performance ao remover os blocos de gelo que servem de apoio ao meu corpo

duração: 2 horas

1975

Galerie Krinzinger, Innsbruck

Os elementos utilizados nesta performance têm referência autobiográfica da artista. A estrela entalhada em seu abdômen ter relação com a resistência dos insurgentes da segunda guerra, o que tece uma referência direta ao seu pai. Ela come 1 quilo de mel, ingere 1 litro de vinho, entralha uma estrela com lâmina em seu corpo e a cada corte ela imprime seu sangue em uma bandeira branca acendo-a ao som de uma canção russa, o que a deixa comovida fazendo-a chorar. Marina executa este trabalho pela primeira vez com 29 anos  na Galerie Krinzinger, depois o reapresenta no MoMa-NY na exposição Seven Easy Peaces (Sete peças “fáceis). Extremos de temperatura entre o calor e a hipotermia, a exaustão física e o limite do corpo pra além da dor. A performance terminou com o público retirando o corpo da performer de cima dos blocos de gelo e cobrindo-a com casacos. Não foi a primeira nem a última vez que houve a necessidade da intervenção da audiência para que ela não morresse durante um trabalho.

Referências:

áudio em inglês: http://www.moma.org/explore/multimedia/audios/190/2000

Catálogo Galeria Luciana Brito. Back to Simplicity. Marina Abramovic. 2010. p.45-56

Marina Abramović-Manifesto sobre a vida do artista

1  a conduta de vida do artista:

-O artista nunca deve mentir a si próprio ou aos outros

-O artista não deve roubar ideia de outros artistas

-Os artistas não devem comprometer seu próprio nome ou comprometer-se com o mercado de arte

-O artista não deve matar outros seres humanos

-Os artistas não devem se transformar em ídolos

-Os artistas não devem se transformar em ídolos

2 a relação entre o artista e sua vida amorosa:

-O artista deve evitar se apaixonar por outro artista

-O artista deve evitar se apaixonar pó outro artista

-O artista deve evitar se apaixonar pó outro artista

3 a relação entre o artista e o erotismo:

-O artista deve ter uma visão erótica do mundo

-O artista deve ter erotismo

-O artista deve ter erotismo

-O artista deve ter erotismo

4 a relação entre artista e sofrimento:

– O artista deve sofrer

-O sofrimento cria as melhores obras

-O sofrimento traz a transformação

-O sofrimento leva o artista a transcender seu espírito

-O sofrimento leva o artista a transcender seu espírito

5 a relação entre o artista e a depressão:

-O artista nunca deve estar deprimido

-A depressão é uma doença e deve ser curada

-A depressão não é produtiva para os artistas

-A depressão não é produtiva para os artistas

-A depressão não é produtiva para os artistas

6 a relação entre o artista e o suicídio:

-O suicídio é um crime contra a vida

-O artista não deve cometer suicídio

-O artista não deve cometer suicídio

-O artista não deve cometer suicídio

7 a relação entre o artista e a inspiração:

-Os artistas devem procurar a inspiração em seu âmago

-Quanto mais se aprofundarem em seu âmago, mais universais serão

-O artista é um universo

-O artista é um universo

-O artista é um universo

8 a relação entre o artista e o autocontrole:

– O artista não deve ter autocontrole em sua vida

-O artista deve ter autocontrole total em relação a sua obra

-O artista não deve ter autocontrole em sua vida

-O artista deve ter autocontrole total em relação a sua obra

9 a relação entre o artista e a transparência:

– O artista deve doar e receber ao mesmo tempo

-Transparência significa receptividade

-Transparência significa doar

-Transparência significa receber

-Transparência significa receptividade

-Transparência significa doar

-Transparência significa receber

-Transparência significa receptividade

-Transparência significa doar

-Transparência significa receber

10 a relação entre o artista e os símbolos:

– O artista crias seus próprios símbolos

-Os símbolos são a língua do artista

-E a língua tem que ser traduzida

-Às vezes, é difícil encontrar a palavra chave

-Às vezes, é difícil encontrar a palavra chave

-Às vezes, é difícil encontrar a palavra chave

11 a relação com o silêncio:

-O artista deve compreender o silêncio

-O artista deve criar um espaço para que o silêncio adentre a sua obra

-O silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento

-O silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento

-O silêncio é como uma ilha no meio de um oceano turbulento

12 a relação entre o artista o artista e a solidão:

-O artista deve reservar para si longos períodos de solidão

-A solidão é extremamente importante

-Longe de casa

-longe da família

-Longe dos amigos

-O artista deve passar longos períodos perto das cachoeiras

-O artista deve passar longos períodos perto dos vulcões em erupção

-O artista deve passar longos períodos olhando as corredeiras dos rios

-O artista deve passar longos períodos contemplando a linha do horizonte onde o oceano e o céu se encontram

-O artista deve passar longos períodos de tempo admirando as estelas no céu da noite

13 a conduta do artista com relação ao seu trabalho:

-O artista deve evitar ir para o seu ateliê todos os dias

-O artista não deve cosniderar seu horário de trabalho como o de um funcionário de um banco

-O artista deve explorar a vida, e trabalhar apenas quando uma ideia se revela no sonho, ou durante o dia, como uma visão que irrompe uma surpresa

– O artista não deve se repetir

-O artista não deve produzir em demasia

-O artista deve evitar poluir sua própria arte

-O artista deve evitar poluir sua própria arte

-O artista deve evitar poluir sua própria arte

14 as posses do artista:

Os monges budistas entendem que o ideal na vida é possuir nove objetos:

1 roupão para o verão

1 roupão para o inverno

1 par de sapatos

1 pequena tigela para pedir alimentos

1 tela de proteção contra insetos

1 livro de orações

1 guarda-chuva

-1 colchonete para dormir

1 par de óculos se necessário

– O artista deve tomar sua própria decisão sobre os objetos pessoais que deve ter

– O artista deve, cada vez mais, ter menos

– O artista deve, cada vez mais, ter menos

– O artista deve, cada vez mais, ter menos

15 a lista de amigos do artista:

-O artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito

-O artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito

-O artista deve ter amigos que elevem seu estado de espírito

16 os inimigos do artista:

– Os inimigos são muito importantes

-O Dalai Lama afirmou que é fácil ter compaixão pelos amigos; porém, muito mais difícil ter compaixão pelos inimigos

-O artista deve aprender a perdoar

-O artista deve aprender a perdoar

-O artista deve aprender a perdoar

17 a morte e seus diferentes contextos:

– O artista deve ter consciência de sua mortalidade

-Para o artista, como viver é tão importante quanto morrer

-O artista deve morrer conscientemente e sem medo

-O artista deve morrer conscientemente e sem medo

-O artista deve morrer conscientemente e sem medo

18 o funeral e seus diferentes contextos:

– O artista deve deixar as instruções para o seu próprio funeral, para que tudo seja feito segundo a sua vontade

– O funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida

-O funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida

-O funeral é a última obra de arte do artista antes de sua partida

Imagem

 

Referência:

Catálogo da galeria Luciana Brito. Back to simplicity. Marina Abramovic.2010 p.1-5.

 

Marina Abramović- Rythm 0

Marina Abramović nasceu na Iugoslávia em 1946. Ela começa a fazer performances a partir década de 1970, e segue produzindo  até hoje. Uma das características marcantes em seus trabalhos é a exploração dos limites psico-físicos do corpo.

Até onde o corpo pode chegar?

Em Rythm 0, performace de 1974, Abramović colocou seu corpo à disposição do ‘outro’,  testando os limites da relação de seu corpo em performance com a audiência. Ela dispôs 72 objetos em cima de uma mesa, dentre eles, algumas fotografias, tesouras, penas e uma pistola carregada. As pessoas presentes tinham a escolha de fazer-lhe carícias ou  colocarem seu sadismo em prática . Por fim, a performer  apontou a arma para si mesma afim de cessar as ações do público sobre ela.

rhythm 0  1972

 

 

Em uma conversa  com o curador Hans Ulrich Obrist, a artista fala do seu trabalho:

Hans Ulrich Obrist : Mas, em sua essência, todas [as obras] estão relacionadas ao perigo? A extremos?

Marina Abramović: Sim, estes são exatamente os meus interesses. Interesso-me pela arte que perturba e que estimula o momento do perigo. ( DANTO,2010, p.47.)

A arte, portanto, pode ser uma via de distúrbios que revela mudanças culturais profundas e estimula outras maneiras de “ser” e de “fazer” as coisas.

 

Referências

Catálogo da galeria Luciana Brito: Back to Simplicity. Marina Abramović. São Paulo, 2010.

DANTO, Arthur C. Perigo e perturbação: A arte de Marina Abramović .Catálogo da galeria Luciana Brito: Back to Simplicity. São Paulo, 2010. pg.46-61.

Sítios:

http://marinafilm.com/

http://en.wikipedia.org/wiki/Marina_Abramovi%C4%87

http://www.moma.org/explore/multimedia/audios/190/2000

http://bravonline.abril.com.br/materia/hans-ulrich-obrist-todo-poderoso