Grupo Gutaï- relação entre pintura e performance

O grupo Gutaï tem sua formação em 1954, dele participam Jirō Yoshihara, Sadamasa Motonaga, Shozo Shimamoto, Saburō Murakami, Katsuō Shiraga, Seichi Sato, Akira Ganayama e Atsuko Tanaka (uma das poucas mulheres do grupo). Eles fazem performances em constante diálogo com a pintura.

No contexto de pós-guerra japonês, o país que antes era fortemente tradicionalista foi obrigado a abrir-se culturalmente com a invasão do mercado capitalista, que dinamizou a vida cultural das pessoas. Muitos aspectos ruins são gerados neste processo, não obstante outras formas interessantes surgem. Com a entrada de bens de consumo e o direcionamento do mercado subserviente à lógica imperialista, também entra a literatura marginal de Jean Jenet, o cinema, escritos de Artaud, outras formas de teatro, dança e arte contemporânea. Esta dinamicidade gera um novo universo simbólico. O Gutaï experimentou formas de criar ações que pudessem refletir o contexto pós-guerra e as novas formas insurgentes de arte.  O performer Saburo Murakami atravessou séries de folhas de papel: o corpo rompe o suporte pictórico. Em algumas ações eles se jogam na tela com tinta de forma violenta; os corpos tombaram nas guerras, eles tombaram nas telas, impregnando-a com pigmento e energia.

Saburo Murakami- Grupo Gutaï

Saburo Murakami- Grupo Gutaï

“Entre os percursores das performances que veremos povoar a arte da década de 1960 em diante, veremos nomes como Shozo Shimamoto, reconhecido por suas experimentações de perfurações na tela que compõem a série denominada Works (Holes); Katsuō Shiraga, com suaspinturas realizadas a partir de movimentos de todo o seu corpo sobre a superfície da tela;  Saburo Murakami, com suas ações de atravessar as séries de superfícies de papel até a sua completa destruição; e Atsuko Tanaka, com seu quimono tecnológico (eletric dress).” (MELIM, 2009, p.12)

A relação entre performance e pintura não se dá apenas em referência ao suporte tradicional da tela ou o uso de tinta como pigmento. A ideia de gerar um artefato como resultado da pintura não é via de regra. O corpo pode ser suporte da pintura, assim como o espaço.

Shozo Shimamoto-Grupo Gutaï

Shozo Shimamoto-Grupo Gutaï

Atsuko Tanaka uma das ppoucas mulheres do-Grupo Gutaï

Atsuko Tanaka uma das poucas mulheres do-Grupo Gutaï

Katsuō Shiraga-Grupo Gutaï

Katsuō Shiraga-Grupo Gutaï

Referências

MELIM, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.

em português bastante resumido:

http://www.infopedia.pt/$grupo-gutai

em inglês:

http://www.guggenheim.org/new-york/exhibitions/on-view/gutai-splendid-playground

Anúncios

Um pensamento sobre “Grupo Gutaï- relação entre pintura e performance

  1. Pingback: “É preciso ser contemporâneo de si mesmo”, entrevista com o artista visual, Paulo Bruscky

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s